Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

it's carol

Um blog sobre tudo. Sobre o que me apetecer. Acima de tudo, sobre o que sou.

23.Dez.17

Carta ao Filho do Pai Natal

Querido filho do Pai Natal,

 

Sei que nunca ninguém se lembra de ti. Tu que sofres quando todos os outros filhos estão felizes por terem o teu pai [e a tua mãe] numa das noites mais importantes do ano. Tu que ficas sozinho [e possivelmente congelado] nas noites frias da Lapónia. Tu que só reúnes a família quando todos os outros já festejaram a data. Lembrei-me de ti. Ninguém, para além de ti, se pode gabar de ser filho do Pai Natal. Mas também ninguém, para além de ti, teve o azar de ser filho da única família que distribui os presentes [fora de casa] nesta altura. É que nem sequer podes ficar com as renas porque elas também fazem parte do negócio. Deve ser triste. Por isso, este ano acho que devias vir cá para casa. Conhecias a família, estavas [certamente] mais quentinho, com sorte ainda recebias alguma coisa e passavas um natal acompanhado. A ver pela barba branca do teu pai e pela mini-saia da tua mãe [eles têm quantos anos de diferença mesmo?] tu deves ter [mais coisa menos coisa] a minha idade. E bem vistas as coisas, ter o Pai Natal como sogro deve ter algumas vantagens [imagino o dinheiro que ele recebe por cada anúncio que faz!]. Ainda te procurei no instagram, mas não te encontrei. A rede na Lapónia deve ser fraca. Queria ver uma foto tua. Não que a aparência seja uma coisa importante, é só porque se fores bonito é mais fácil imaginar-te com o gorro vermelho e branco. Deduzo que da junção de um pai natal e de uma mãe natal tenha saído [no mínimo] uma bela prenda [com um belo embrulho]. Claro que temos de nos conhecer melhor. Acho que a noite da consoada seria um bom momento para isso. Já agora, também queres ser pai? E depois, nessa altura, quando o teu pai for avô, vais passar a ser pai natal? Não sei se estou preparada para ser mãe natal. Na melhor das hipóteses podemos manter o negócio da tua família e renovar alguns conceitos, o que achas?

Este natal não estás sozinho. Espero-te por cá. Tenho-me portado bem, por isso a minha morada deve constar no sistema do teu pai [dá uma espreitadela e vem cá ter, ele não vai levar a mal!]. Temos bacalhau para o jantar, a família reúne-se, a árvore lá está no sítio do costume e o resto é conversa [muita conversa!]. Com um bocadinho de sorte ainda te cruzas com os teus pais [eles costumam passar por cá e deixar umas coisinhas debaixo da árvore]. 

 

Faz uma boa viagem. Queres que te vá buscar ao aeroporto ou tens o teu próprio trenó? Fica o aviso que arranjar estacionamento aqui é complicado. Fico à tua espera,

 

Carol

 

8A8B7580-3C57-4B12-89CE-B9BA6F6CADFC.JPG