Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

it's carol

Um blog sobre tudo. Sobre o que me apetecer. Acima de tudo, sobre o que sou.

26.Jul.19

6 motivos por que La Casa de Papel não resultaria em Portugal

POST SEM SPOILERS [PODEM RESPIRAR À VONTADE E LER]

Andava a contar os dias [sim, andava mesmo a contá-los] para a estreia de La Casa de Papel. E sei que, como eu, também muitos de vocês aguardavam expectantes pela terceira parte da série que se tornou um fenómeno internacional. A verdade é que [obviamente!] me precipitei e assisti aos oito episódios de seguida [e agora vou ter de esperar e desesperar pela quarta parte].

 

Não vos trago spoilers, mas não resisto comentar que nos sentimos ainda mais parte de La Casa de Papel agora que temos uma Lisboa em nossa representação. E isso é tudo muito bonito [compreendo] e até chega a ser motivo de orgulho [igualmente compreensível]. O que ninguém diz é que, lá por haver espaço para uma menina e moça no plano do Professor, não haveria lugar para um atraco daquela dimensão em Portugal. Não estão a perceber?

 

Atentem então os seis motivos por que o plano de La Casa de Papel não seria bem sucedido em Portugal [para além, claro, de não termos a Fábrica Nacional de Moneda y Timbre, nem o Banco de Espanha]:

 

1 - Assaltantes recebidos com hospitalidade [e saudade]. É mais forte do que nós. Não conseguiríamos não receber bem os convidados. Aliás, já provámos que sabemos acolher quem nos visita melhor do que os outros povos. Boa comida, muita bebida e alguma conversa não faltariam. Somos hospitaleiros por natureza e orgulhamo-nos disso. E, bem, se estivermos a falar em oferecer o nosso melhor tratamento a ladrões disfarçados que roubam bancos... Percebem o meio receio? Acho que os assaltantes jamais se quereriam ir embora. E, conhecendo-nos como conheço, nem nós deixaríamos que isso acontecesse. Daríamos uns péssimos reféns. 

 

2 - Lotação [já] esgotada. A propósito de gostarmos de receber bem quem nos visita, ultimamente recebemos cada vez mais turistas. E se as pessoas vêm para conhecer as praias, as tradições, os Pastéis de Belém, a calçada portuguesa e o Fernando Pessoa, acreditem que apanham o primeiro voo para cá se souberem que os assaltantes mais conhecidos em todo o mundo estão em Portugal [mesmo que a CMTV faça transmissões internacionais do acontecimento]. E aí, oiçam bem o que vos digo, não vamos ter mais espaço. E, adivinhem, quem é que vai ter de sair primeiro? 

 

3 - Professor com pouco futuro. Pelo menos, na educação. Ainda bem que este Professor se adiantou [e nem precisou de vir para Portugal para perceber que só noutra área conseguiria progredir na carreira]. Já repararam quão aborrecido seria ter de lhe explicar que, embora exerça uma profissão fundamental para a sociedade, não tem qualquer tipo de reconhecimento por isso? Sabem o que vos digo, este Professor traz a escola toda [e, como tal, mantém-se distante do país vizinho]. 

 

4 - Pena dos assaltantes. E pouca pena para os assaltantes. Acredito que gostem muito deles [eu própria adoro o grupo que o Professor formou] e por isso nunca seriamos suficientemente justos a fazer-lhes justiça. Já referi que nos afeiçoaríamos a cada um deles, agora imaginem como seria acompanhar, durante meses a fio, as idas a tribunal e conhecer, por fim, a pena que lhes seria atribuída. É certo que não matam ninguém e, longe deles, fazer mal a quem quer que seja mas, sinceramente, acham que seriamos sequer capazes de os prender? [Pensem comigo: se La Casa de Papel fosse em Portugal, só teria direito às duas primeiras temporadas, uma vez que, após escaparem, mesmo que a polícia tivesse conhecimento do paradeiro dos assaltantes, nunca teria ordens para os deter].

 

5 - Trânsito na Ponte 25 de abril. Quem conhece o Professor, sabe que ele não gosta de estar longe, porém também nunca está perto o suficiente para ser apanhado. O que significa que, no caso de decidir realizar um assalto em Lisboa, a posição mais estratégica seria estar na Margem Sul. Até aqui tudo bem. Não fosse o Professor estar sempre em movimento e pronto para atuar. O que implicava que, frequentemente, se deslocasse entre as duas margens do Tejo. E todos sabemos que ele gosta de ter todas as situações sob controlo, algo que é completamente incompatível com o fator ter-de-atravessar-todos-os-dias-a-ponte-25-de-abril [também aplicável à Ponte Vasco da Gama em determinados momentos]. Acreditem, os planos levariam o dobro do tempo a serem concretizados e o Professor chegaria ao final da temporada com um look bem mais "grisalho" e impaciente.

 

6 - Seria sempre tarde demais. A questão é simples: independentemente do banco que viessem assaltar, não chegariam sempre depois de alguém, discretamente, já ter tratado do assunto? 

 

 

Motivos pensados com amor [e humor] de uma fã portuguesa que, apesar de tudo, adora viver num país tão pacato e com vista [mas a uma boa distância] para o grupo de assaltantes mais geniais do mundo. Acrescentavam mais alguma coisa? Opiniões sobre a terceira temporada?

 

Carol

 

6 motivos por que La Casa de Papel não resultaria

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.