Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

it's carol

Um blog sobre tudo. Sobre o que me apetecer. Acima de tudo, sobre o que sou.

13.Abr.17

O jarro de água [e sem água] cá de casa

Cá em casa temos um jarro de água. É dele que nos servimos sempre que a sede aparece. O problema é que estamos a chegar àquela altura do ano em que a sede aparece muitas vezes. E o jarro aproveita-se da situação para ter algum protagonismo [já que fica no seu canto o resto do ano, ali sem ninguém lhe dar muita atenção]. Agora anda de mão em mão. E, atenção, eu não estou com ciúmes do jarro, mas é uma situação que me tem incomodado [um bocadinho] ultimamente. O jarro está sempre cheio. Sempre. Até que chega a minha vez de encher o copo e nem uma gota é capaz de cair. Podia, por hipótese, dizer que o objeto também tem direito a ter sede e, então, beber da própria água que transporta, mas prefiro não ir por aí [porque é verdade que a casa tem muita vida, mas há coisas que têm limites, e que eu saiba este jarro não pertence ao elenco d' Bela e do Monstro]. É impressionante, a sério. Todos enchem os copos e nunca ninguém quer encher o jarro. Com a chegada do calor [e se as coisas continuam assim] vou optar por fazer uma tabelinha em Excel [e eu nem sei trabalhar bem com isso] para colar no frigorífico com um horário sobre quem fica responsável por encher o jarro nos diferentes momentos do dia. A hora de ponta [em que o jarro mais circula e em que os olhares se cruzam em cima da mesa para tentar definir quem é o funcionário de serviço] é a hora de jantar. E como sou eu a única preocupada em resolver esse problema, tenho prioridade de escolher o meu horário [talvez fique com aquela hora em que ninguém se lembra que o jarro existe, pelo fresquinho da manhã]. E, finalmente, acabar-se-ão as desculpas como o "esqueci-me de encher o jarro" ou "não consegui abrir o garrafão para encher o jarro". Tenho pensado muito sobre o assunto e talvez a solução seja arranjar um balde em vez de um jarro [ou uma família que beba menos água]. Entretanto, vou começar a treinar as minhas habilidades para trabalhar com o excel [porque mais depressa aprenderei a fazer o horário para colar no frigorífico do que o jarro se encherá para o jantar de logo à noite]. Vamos aprender a controlar a sede, a abrir garrafões e a evitar os esquecimentos. Vocês não têm "jarros" aí por casa? E famílias cheias de sede? Estes dois elementos fazem toda a diferença entre um jarro de água com água ou um jarro de água sem água [é importante ter atenção a isso].

 

Está oficialmente aberta a época do "Jarro Vazio Que Ninguém Quer Encher, Mas de Onde Todos Querem Beber" [e que época tão familiar!],

 

Carol

5 comentários

Comentar post